Os principais desafios para criar inteligência artificial sem racismo

Em um mundo ideal, sistemas inteligentes e seus algoritmos seriam objetivos, frios e imparciais; mas esses sistemas são construídos pelos seres humanos e, como os dados mostraram, pelo contexto social, histórico e político em que foram criados. Os principais desafios para criar inteligências artificial sem racismo, são:

Primeiro, deve haver acesso fácil ao conhecimento de aprendizado de máquina;

Segundo, o desenvolvimento “justo e responsável” precisava ser feito na sociedade ao lado do progresso da IA, de acordo com Jeff Dean, pesquisador sênior do Google;

Terceiro, promovendo a transparência e a abertura em conjuntos de dados algorítmicos. Repositórios de dados compartilhados que não pertencem a nenhuma entidade única e podem ser controlados e auditados por órgãos independentes, podem ajudar a atingir esses desafios;

Quarto, a Física Quântica e a inteligência artificial podem andar de mãos evolucionárias, interrompendo muitos dos problemas de racismo ao longo do caminho. O aprendizado de máquinas com idéias da física quântica também poderiam melhorar as aplicações gerais da inteligência artificial.

O processo de aprendizado da Inteligência Artificial é baseado nos dados que eles recebem. No entanto, pode ser possível que até que os preconceitos conscientes e inconscientes do criador sejam reduzidos, os criados continuarão a ter esses problemas.

Continua: O que aprendemos sobre racismo na inteligência artificial?

Por Hernani Francisco da Silva – Ativista Quântico Negro – Do Afrokut

(Visited 10 times, 1 visits today)
Compartilhe nas suas Redes Sociais:
0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *